Dr. G.

Padrão

 

Depois que inventaram o Google ninguém acha mais que precisa ir ao médico. A sala de espera agora é a cadeira do computador. Bastar apresentar algum sintoma, digitar rapidamente uma descrição sucinta das queixas e – voilà! – está pronto o diagnóstico. Nada de horas esperando apreensivo por resultados de exames. Em poucos segundos o prático e célebre Dr. G. fornece páginas e páginas de moléstias listadas em ordem decrescente de contaminação, desde as verdadeiras pandemias até as nunca dantes imaginadas. Os tratamentos e profilaxias também estão todos lá, à mão, de ervas medicinais a drogas de tarja preta. E, o que é melhor, descritos em Times New Roman 12 ou similares – ninguém mais precisa se esforçar para entender a grafia garranchenta de um profissional de medicina.

O problema é que os prognósticos e os efeitos colaterais podem nem sempre ser animadores. Conheci uma jornalista dia desses que sofria de intermitentes dores abdominais. Na maior parte das horas passava bem, mas bastava uma irritação com o editor ou uma fonte mal-educada para a barriga ser tomada de sensações desagradáveis, como se os movimentos peristálticos se rebelassem e resolvessem sair do ritmo. Na semana passada não se agüentou. Enquanto as vísceras davam chilique, recorreu ao eficiente site de buscas medicinais e digitou: prescrições para gastrite. Acabou dando de cara com a nossa humilde clínica virtual. O sofrimento estomacal passou, garanto, mas em compensação a cabeça nunca mais foi a mesma. Não sei, pode ser mesmo que sejamos bons em curar problemas digestivos, ninguém ultrapassa a marca de mil pacientes impunemente. No entanto, é certo que fornecemos de brinde uma infecção hospitalar pelo vírus da hipocondria. E enfermidade grave como essa, meus caros, nem o Google cura.

 

Táscia Souza

Anúncios

»

  1. Vale confessar que o Dr. G é o meu médico preferido???
    Também vale confessar que eu abro, cuidadosamente, o meu exame de sangue antes do médico e digito os termos técnicos um a um para saber de onde eles vêm e para onde minha vida vai???
    Acha que descobri que bilirrubinas elevadas significam excesso de álcool no fígado como???

  2. E seríamos nós frutos da total dependência causada pela grande mobilidade de assuntos abordados pelo Dr. G em todas as áreas? E seria bom o complemento que buscamos nele? Seria confiável?

    Não sei… Mas sei que não consigo mais escrever sem consultar o Dr. G. A reforma ortográfica o torna um importante e rotineiro aliado!

    (dentre outras, confesso!)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s