Até que ponto?

Padrão

Ela acordou e a casa estava uma bagunça. Tudo fora do lugar, revirado. Queria tanto um café, mas não se sentia animada a vasculhar pra onde teria voado a chaleira na hora em que a jogou em cima dele. Suspirou.

As crianças acordaram, e lógico, assustaram-se. Perguntaram. Elas não precisavam saber que o pai tinha reaparecido, querendo usá-la corporeamente e monetariamente. Teve de trancá-los no quarto para que não presenciassem a cena. Arrumou os filhos rapidamente. Saiu.

A vizinha deveria estar esperando sua saída há horas. Lançou-lhe o típico olhar de fofoqueira que já tem a história completa, mas talvez consiga uns detalhes para apimentar e tornar o relato verídico. Ela não precisava saber que ela deu um soco no marido e um chute nas partes baixas. Abstraiu.

Deixou os meninos na casa da mãe. Assim que eles estavam distraídos com a TV, a mãe, preocupada, perguntou o que tinha acontecido. As olheiras, o cabelo desgrenhado… indicavam algo. A mãe não precisava saber que estava com medo, assustada, preocupada. Fugiu.

No ônibus, sentou-se perto de uma amiga-conhecida. A vontade de desabafar era enorme, mas a moça só falava dela, do noivo, dos arranjos… Ela não precisava saber que seu casamento era uma tristeza e desanimar. Riu.

Já no trabalho, a patroa queria explicações pelo atraso, ameaçava, queria briga. Ela não precisava saber que quase fora morta daquela vez, que mal se agüentava em pé. Varreu.

Mais tarde, em casa, a polícia já estava no portão. O marido a acusava de agressão. Deveria ir pra delegacia. Os filhos foram os primeiros a defendê-la. Disseram que o pai era o malvado, pois ele batia na mãe, fazia-os sofrer. A vizinha já foi logo anunciando que seria testemunha a favor dela, pois sensibilizava com aquela mulher batalhadora que sofria na mão de um traste. A mãe foi logo buscando uns papéis antigos que comprovavam a prisão do genro anos antes. Era um mau-caráter. A amiga de ônibus entrou na casa e mostrou, indignada, como ele tinha destruído tudo. Aproveitou e passou um café pra sensibilizar os tiras. E a patroa, inexplicavelmente, aparecera dizendo que seu advogado estava a caminho e que aquilo era um engano.

Ninguém precisava saber. Todo mundo sabia.

José Eduardo Brum

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s