Clube de leitura de Nelson Rodrigues

Padrão

Dizem que teatro é uma suruba e Guilherme foi pra lá pensando nisso. Entre uma sementinha e outra se apaixonou por Glorinha. Apaixonou não, queria comer Glorinha, mas se durante os exercícios ela era toda dada, acabada a atividade não restava nada além de gelo e intelectualidade. Achou, então, o caminho.

– Vamos fazer um clube de leitura?

Olharam-se todos, alguns com receio, típicos atores que se bastam, e outros com interesse em aprimorar os conhecimentos e crescer na vida e na cena. E foram pipocando perguntas e sugestões, até que Guilherme, com o discurso armado, sugeriu Nelson Rodrigues.

– Somos 17 no grupo, podemos ler as peças.

– Não vou, não gosto dele.

– Então somos 16, a gente tira A serpente, que é chata, e lê as outras.

– Batata, respondeu um. E enquanto dividiam os textos entre os colegas, de modo que todos lessem todos, mas sempre um seria o condutor da discussão, Guilherme continuou.

– Podemos fazer tudo lá em casa, preparo sempre porções, algum tira-gosto, e tomamos vinho, o néctar de Dionísio.

Foi a própria Glorinha quem deu o toque final.

– Se é clube de leitura vamos nos reunir na sala de leitura aqui do teatro, ou vira festa.

E Guilherme aprendeu Nelson Rodrigues e Platão no mesmo clube.

Gustavo Burla

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s