A(s)mar é…

Padrão

No consultório do otorrino:

– É amor, doutor, eu sei. Meu peito se aperta como se eu estivesse me afogando e eu busco ar e não consigo encontrar. Me tira o fôlego! É como se, metaforicamente, a cada vez que o vejo, os músculos ao redor das minhas vias respiratórias se apertassem, reduzindo minha capacidade de respirar. Fico à mercê dessa opressão que me faz chiar, que me dá essa sensação de sufoco. O amor está me sufocando, doutor!

– Não é o amor, minha filha.

– Não?

– É a asma.

Táscia Souza

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s