Nadismo

Padrão

Volta e meia ouvia e invejava alguém dizer que não ia fazer nada no dia seguinte. Ele pensava como seria isso. Nada mesmo, no sentido absoluto de nada, não tinha jeito, mas pensava no que seria um dia em que não fizesse nada. Estudou muito tempo, anos, até descobrir um caminho. Chegado o dia, resolveu fazer nada.

Acordou tarde, para evitar ter muito trabalho. Acordar tarde deu algum trabalho, teve que beber na véspera além da conta, praticar esporte mais que o habitual, dançar numa festa e forçar para ler antes de dormir. Acordou tarde. Levantou, tomou café (tinha fome, era questão de vida ou morte) e sentou diante da televisão. Não escovou os dentes.

Lutou diante da televisão para não deixar a mente divagar em coisas para fazer, afinal, fazer nada implicava em pensar em nada. Pensou branco, era o que poderia fazer, e lutou por isso enquanto olhava seu reflexo na tela da TV, desligada. Resistiu o quanto pôde ali, entre o tédio e o sono, na luta pelo nada.

Comeu quando teve fome, comeu o que tinha pronto, não queria fazer nada. Sentou contemplando a rua e pensando nas pessoasNÃO! Pensando em nada! Nada! Nada. Ufa, pensando em nada… Quando o sol se pôs sentiu que o dia estava perdido, e não sentiu raiva por isso, porque já tinha sentido uma vez e sentir raiva seria sentir duas vezes, e não poderia sentir. Era o dia do nada.

Comeu mais alguma coisa, e foi deitar, tentando mais não sentir do que não pensar, mas não conseguiu: putaquepariu! Não fiz nada hoje! Mandou tomar no cu todos os que diziam que não fariam nada e foi escovar os dentes.

Gustavo Burla

Anúncios

»

  1. Mas tem ciência pra coisa…

    Ai que prazer
    não cumprir um dever.
    Ter um livro para ler
    e não o fazer!
    Ler é maçada,
    estudar é nada.
    O sol doira sem literatura.
    O rio corre bem ou mal,
    sem edição original.
    E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal
    como tem tempo, não tem pressa…

    É preciso inventar um monte de obrigações e daí…não cumpri-las!
    Pronto. Nadismo com sucesso.

    Bração procê!

  2. Voltei. É que nadismo é tudismo que me importa.
    O outro é um trecho de Liberdade, do Pessoa.
    Esse é do Torga:

    Fábula da fábula

    Era uma vez
    Uma fábula famosa,
    Alimentícia
    E moralizadora,
    Que, em verso e prosa,
    Toda gente
    Inteligente,
    Prudente
    E sabedora
    Repetia
    Aos filhos,
    Aos netos
    E aos bisnetos.
    À base duns insectos,
    De que não vale a pena fixar o nome,
    A fábula garantia
    Que quem cantava
    Morria
    De fome.

    E realmente…
    Simplesmente,
    Enquanto a fábula contava,
    Um demônio secreto segredava
    Ao ouvido secreto
    De cada criatura
    Que quem não cantava
    Morria de fartura.

    Viva a Preguiça!!

    Bração final, isso de comentar já tá me dando muito trabalho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s